Arquivo da categoria: Literatura

>(In)definições

Padrão

>

Oii flores!!!

Quem me acompanha no twitter sabe que começei a ler um livro sobre literatura brasileira, e logo na introdução me deparei com um texto muito lindo do Pablo Neruda, no qual ele expressa todo seu sentimento pelas palavras. Pra nós que escrevemos todos os dias, as palavras são algo de extrema importância. Leiam:
 … Sim. Senhor, tudo o que queira, mas não as palavras as que cantam, as que sobem e baixam…  Prosterno-me diante delas… Amo-as, uno-me a elas, persigo-as, mordo-as, derreto-as… Amo tanto as palavras… As inesperadas… As que avidamente a gente espera, espreita até que de repente caem… Vocábulos amados… Brilham como pedras coloridas, saltam como peixes de prata, são espuma, fio, metal, orvalho… Tudo está na palavra… Uma idéia inteira muda porque uma palavra mudou de lugar ou porque outra se sentou como uma rainha dentro de uma frase que não se esperava e que a obedeceu… Têm sombra, transparência, peso, plumas, pêlos, têm tudo o que lhes foi agregando de tanto vagar pelo rio, de tanto transmigrar de pátria, de tanto ter raízes… São antiquíssimas e recentíssimas. Vivem no féretro escondido e na flor apenas desabrochada…

Pablo Neruda – Confesso que vivi


Espero que gostem!!!
Beijos